“CANSEI” e “BASTA”

Foi lançada, ontem, na sede da OAB, em São Paulo, a campanha “Cansei” uma espécie de versão paulistana da campanha carioca, hoje esvaziada, chamada “Basta”.

A campanha “Cansei” faz parte de um impulso mais amplo, o “Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros” ao qual já declararam adesão – diz Fausto Macedo, no Estadão de hoje – “milhares de empresários, advogados, industriais, banqueiros e profissionais liberais.”

Um dos idealizadores do movimento é o presidente da seccional paulista da OAB ( em cujo auditório foi feito o lançamento da campanha ), Luiz Flávio Borges d’Urso, que declara tratar-se de iniciativa “apolítica e apartidária”, o que, a meu ver, preliminarmente, não é exato e, no mérito, se fosse, seria um equivoco.

Um movimento desse tipo é, sempre, por definição, político, e deve ser partidário.

Não é “fair” – como dizem os americanos – ficarmos atrás de uma neutralidade de fachada para fugir aos compromissos, bons e maus, que são exigidos dos que escolhem a vida política.

É bom, portanto, que os membros do novo movimento assumam-se, claramente e, ao ingressar, mesmo como principiantes, na política, substituam os candidatos ruins que São Paulo gosta tanto de eleger.

Os que aderiram ao novo movimento devem, por isso, ingressar no partido político com o qual tenham mais afinidade, mesmo porque o fortalecimento dos partidos é fundamental para o aprimoramento da democracia.


Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.