Impressões de um passeio de Metrô em São Petersburgo

A construção da primeira fase do Metrô de São Petersburgo foi concluída em 1955, cerca de dez anos depois do fim da Segunda Guerra. Embora não seja tão majestoso como o de Moscou é muito bem acabado e de bom gosto.

O zelo na construção do Metrô dessa cidade russa demonstra como os russos, em pleno “regime soviético”( como eles denominam a sua vivência socialista anterior ) acreditavam nas virtudes do seu sistema social. As estações, projetadas para o povo, e não para as elites, são deliberadamente amplas, ricas, calçadas de granito e repletas de símbolos didáticos ( nos quais estão presentes a foice e o martelo) elegantemente colocados ao lado de estátuas de tamanho médio, encimando as colunas junto às paredes, que representam trabalhadores saudáveis, mulheres do povo conduzindo crianças, numa expressão típica do chamado “realismo soviético”.

Vivendo-se essa experiência, mesmo rápida, de conhecer algumas estações do Metrô de São Petersburgo, por onde circula, atualmente, uma população ordeira, aparentemente bem vestida e bem alimentada, surge a pergunta de porque o sistema soviético não deu certo.

Não nos iludamos dizendo que a razão do fracasso é a superioridade do capitalismo; o que o governo Bush está tendo o mérito de demonstrar.

O problema é que qualquer sistema social, para funcionar bem, numa sociedade moderna, depende de um grande número de informações, muito maior do que uma burocracia centralizada e violenta é capaz de processar.

O uso intensivo do dinheiro – que não ocorria no sistema soviético – simplifica a comunicação entre as pessoas, e torna mais fácil a circulação rápida das informações, essencial nos dias atuais.

O emprego da moeda como uma modalidade de organização jurídica estatal menos burocratizada – como ocorre, hoje em dia, em outros países socialistas ( como a Noruega, por exemplo ) ou na China atual, em sua rápida transição para um regime diverso do comunismo – evidencia que o dinheiro, que não se confunde com poder aquisitivo, é uma forma eficaz de se ordenar juridicamente as condutas das pessoas na sociedade.

Por isso ele é um valor.


Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.