À BRINCA E À VERA

Na minha infância jogávamos bola de gude sob duas diferentes modalidades: ora à brinca, ora à vera: isto é, segundo regras frouxas e informais ou – quando a verdadeira disputa começava – para valer.

Tais lembranças logo me ocorreram diante da principal manchete dos jornais de hoje informando que o STF considerou haver indícios suficientes para instaurar uma ação criminal contra José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares pelo delito de corrupção ativa no episódio do chamado mensalão.

Até agora as sanções da nossa aparentemente severa, e sempre complicadíssima, ordem jurídica costumavam ser percebidas pela opinião pública como um cenário de fancaria. Ou seja, a melhor forma de conviver com as dificuldades tradicionais do nosso Direito parecia ser tratá-lo como se fosse um jogo à brinca.

Agora, não: a ordem jurídica brasileira começa a mostrar que é para valer – que é um jogo à vera – que, para ser bem jogado, deve ser corretamente decifrado.


2 comentárioss até agora

  1. maria helena rubinato rodrigues de sousa maio 24, 2009 5:12 pm

    Pensei que só eu fosse uma velhota internauta e olha quem encontro no pedaço! O Letacinho!
    Podíamos trocar figurinha, hein?
    Sabe como vim parar aqui? Queria ter certeza se era “à brinca’, ou “de brinca” que vocês meninos diziam. Já fiquei tranquila: dúvida de português, corro para o blog do Letácio.
    Um beijo,
    Lenita
    http://www.oglobo.com/pais/noblat/mariahelena

  2. letacio maio 24, 2009 6:26 pm

    Lenita: Escreva, por favor, direto para o meu email: letaciojansen@gmail.com

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.