AUTO-DEMONIZAÇÃO

Depois que os EUA invadiram, preventivamente, o Iraque sob o pretexto de que lá havia armas de destruição em massa – embora Saddam Hussein negasse o fato durante todo o tempo – ficou claro, para alguns governantes, que valia a pena uma certa auto demonização como arma tática de defesa política.

A politica internacional, nos dias que correm, gira em torno da ameaça potencial de o atual governo dos EUA invadir, unilateralmente, qualquer país. Mesmo diante da possibilidade de uma retaliação existe esse risco, bastando lembrar a fala recente do presidente Bush sobre a sua disposição, em caso de os interesses dos EUA serem postos em cheque no Oriente Médio, de deflagar uma terceira guerra mundial, o que deixa claro que nem a China, nem a Rússia estão imunes às suas ameaças.

Isso pode explicar, em grande parte, certas atitudes do presidente Hugo Chávez, que provavelmente serão diferentes no futuro, se os neo republicanos conservadores e belicosos deixarem, como se espera, o poder nos EUA.


2 comentárioss até agora

  1. O Fonseca novembro 25, 2007 8:27 pm

    Os Republicanos e o Chavez (ou Castro, etc, etc) tem uma relação simbiótica. É interessante como eles fortalencem uns aos outros e polarizam seus “povões”.

  2. letacio novembro 25, 2007 8:43 pm

    A grande diferença entre os republicanos dos EUA e Chávez é que os primeiros possuem o poder militar ( embora isso seja uma loucura !) de destruir a Venezuela. Daí a necessidade sentida por Chávez de ser absolutamente explícito nos seus pontos de vista, para não correr o risco de ser “interpretado” pelos americanistas como anti-americanista. Ele é, por definição, explicitamente, anti-americanista. Pode ocorrer, contudo, que essa radicalização desapareça, caso o mundo – e os EUA, principalmente – caminhem para uma distensão que, a meu ver, é indispensável.

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.