A GRANA ESTÁ ACABANDO

Quando o senador John McCain diz que um de seus projetos de governo , se eleito, será manter as tropas americanas no Iraque por 100 anos ele está, evidentemente, usando uma figura de retórica ( querendo dizer que os EUA ainda permanecerão ocupando o país invadido pelo tempo que, a seu ver, for necessário ),

Da mesma forma, quando o presidente Bush, “comemorando” os 5 anos do início do conflito, afirma que a guerra “foi um sucesso”, ele, sem medo de cair no ridículo – pois essa é uma das suas más qualidades – deliberadamente exagera, para demonstrar, mais uma vez, que até o fim de seu mandato, pelo menos, as centenas de milhares de soldados que estão no Iraque continuarão lá.

Acho que por trás da retórica e do proposital papel de palhaço os dois estão, na verdade, respectivamente, querendo esconder o fato de que as guerras em que o seu país atualmente envolveu-se estão chegando ao fim, por falta de dinheiro.

Esse problema – do fim das guerras coincidir com o fim das reservas financeiras para mantê-las – não é novo: a novidade, porém, é que ele está ocorrendo, neste século, com os EUA, que, no século passado, pareciam ter recursos intermináveis e ser capazes, por isso, de dominar, se necessário pela força, o resto do mundo por tempo indeterminado.

Se a atual potência bélica norte-americana – a maior de todos os tempos – não tem à sua disposição, nem ela, dinheiro à perder de vista, isso significa que a diplomacia do próximo governo, qualquer que ele seja, vai ter que se empenhar mais profundamente em negociações, e voltar aos tempos em que era respeitado o princípio da soberania ( agora, por sinal, solenemente reafirmado no âmbito da América Latina, a propósito do conflito da Colômbia com o Equador).


1 comentário até agora

  1. Luciana JO Figueiredo março 23, 2008 7:15 am

    Hoje, no The New York Times, a matéria de Nicholas Kristof “Guerra do Iraque custa quase US$ 5 mil por segundo” mostra a preocupação com essa conta – apesar de ainda considerar a intervenção um “sucesso”. Incrí­vel.

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.