A INFLAÇÃO É UM FENÔMENO MONETÁRIO

Há um aforismo jurídico, condenado pelos autores modernos, mas ainda muito divulgado , segundo o qual o Direito origina-se do Fato: ex facto oritur jus.

Os adversários dessa expressão alegam que ela decorre do que eles chamam de “falácia naturalística”, que consiste em confundir os planos do conhecimento e da realidade, como se os fenômenos do plano do “real” possam tornar-se elementos do nível normativo, ou vice versa.

Quando lemos a manchete do caderno de Economia do Estadão de hoje, por exemplo, que nos adverte que a “Inflação se espalha e já atinge 61% dos itens do IPC-Fipe” ficamos com a impressão de que são a alimentação, a habitação, o transporte, as despesas pessoais, o vestuário, a educação e a saúde – como se fossem “valores intrínsecos” – que estão subindo e empurrando a inflação para cima.

O que ocorre, porém, é que os preços se elevam porque a moeda está perdendo a eficácia: sendo necessário apurar, portanto, por que o Real está perdendo força internamente, embora continue a valorizar-se diante do dólar, o que parece ser uma contradição inexplicável.

Esse é o nosso grande desafio atual.


1 comentário até agora

  1. Flavio Jansen maio 21, 2008 11:06 am

    Bem colocado, a inflação decorre da perda de eficácia da moeda. Por aí é fácil entender porque temos inflação maior aqui e valorização do Real em relação ao dólar lá fora. O dólar está perdendo eficácia mais rapidamente !!!!!

    E a inflação pode não ser desejada, mas ela reflete de forma bem palpável esta perda de eficácia e permite que se tome medidas para “recuperar” a eficácia da moeda. Deveríamos dizer que o que não é desejado é negar a perda de eficácia ou criar artifícios para mascará-la.

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.