PRINCÍPIO DA ESTABILIDADE DOS PREÇOS

O economista JOSEPH STIGLITZ, prêmio Nobel de Economia, conclui o artigo “A falência das metas de inflação”, hoje publicado no GLOBO , dizendo:

“Tanto nações pobres quanto desenvolvidas devem deixar de lado o regime de metas de inflação.”

Segundo ele a fixação de metas de inflação configuraria um modismo que se basearia numa rala teoria econômica ( ou em evidências empíricas ) não havendo razão para esperar que a elevação da taxa de juros seja suficiente para conter a inflação, quando essa provier de mais de uma fonte. O sistema de “inflation target”, segundo ele, estaria fadado, irremediavelmente, a falhar, nos países em que está sendo testado, inclusive no Brasil.

STIGLITZ não nos diz, porém, o que poderia substituir o regime de metas de inflação, como instrumento de assegurar a estabilidade de preços.

Quando as peças monetárias eram de metal a estabilidade de preços era obtida, certo ou errado, com ajuda do princípio do valor intrínseco, que se baseava na idéia de que valor provinha da natureza do metal ( e da liga ) em que eram cunhadas essas peças.

A transformação, posterior, das peças monetárias em instrumentos de papel gerou uma grande insegurança, que levou às enormes inflações e hiperinflações do século XX, (em cujo ranking a nossa, brasileira, da década de 1980, foi uma das primeiras colocadas).

O princípio da estabilidade dos preços começou a ser respeitado no Brasil depois do Plano Real, e tem sido um dos pilares do nosso desenvolvimento dos últimos anos.

Não podemos, portanto, abrir mão da obediência a esse princípio, como sugere, indiretamente, o prêmio Nobel de economia em seu artigo, pois não dispomos de nada em troca para nos garantir.

Desconheço os critérios específicos que levam as autoridades monetárias a fixar tais ou quais metas de inflação. Mas sei que esse processo está sendo posto em prática, com sucesso, na zona do EURO, por exemplo, e, mesmo entre nós, tem sido bem sucedido.

Qual seria, de qualquer modo, a alternativa para manter uma ordem econômica estável, sem as distorções que tantos danos institucionais podem causar, como aconteceu, no Brasil, numa época não muito distante ?


1 comentário até agora

  1. Flavio Jansen junho 8, 2008 7:33 pm

    Posição muito equilibrada e bem colocada pelo nosso querido blogueiro. A estabilidade econômica e a redução da inflação a patamares razoáveis tem sido importantes para a evolução econômica do país e para a redução da pobreza.

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.