AJUDA AOS MUTUÁRIOS

Até hoje os mutuários brasileiros, inclusive os devedores da Caixa Econômica Federal, sofrem por causa das dívidas que contraíram para comprar a casa própria. A grande parte deles perdeu suas moradias ( muitas das quais vendidas, depois, em “feirões”) , foram executados judicialmente, precisaram humilhar-se para fazer acordos financeiramente danosos com os bancos, sendo largados, enfim, à própria sorte.

Nos EUA, porém, a situação é diferente, como se vê do despacho da agência Dow Jones Newswires, transcrito pelo jornal Estado de S. Paulo, o qual informa que os mutuários americanos terão nova ajuda do governo, por meio de um “pacote” de até US$ 300 bi para aliviar devedores com dificuldades.

No Brasil nunca se aliviou as penas do devedor vítima da correção monetária. Os credores foram absolutamente implacáveis, o Poder Judiciário foi duríssimo.

É provável que a punição dos mutuários brasileiros – que viram suas dívidas crescer por causa da indexação das prestações, ( cuja soma, na maioria dos casos, ultrapassava o preço do imóvel ) fosse justificada, na cabeça dos credores, pela crença de que era preciso prestigiar o mercado.

Ocorre que não havia mercado envolvido, pois as prestações eram compulsoriamente corrigidas por imposição legal. Por outro lado, não se conhece, no mundo, sociedade que mais prestigie o mercado, do que a americana, hoje disposta a colocar dinheiro público para melhorar a situação de seus mutuários.

Isso mostra, apenas, que a situação desastrosa dos mutuários brasileiros decorreu de duas causas: 1 ) – de preconceitos arraigados na nossa sociedade, perante a qual o devedor merece ser punido, pelo simples fato de ser devedor; 2 ) da ilegitimidade da correção monetária.


Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.