LULA E O CENTRO – por Celso Rocha de Barros

Ao menos entre os formadores de opinião, parece haver muitos centristas decepcionados com Lula. Mesmo que apoiem a desbolsonarização e boa parte da agenda de Fernando Haddad, os centristas parecem ter dificuldade em abraçar o governo Lula como “seu”.

Em alguma medida, isso era inevitável. Trata-se de um governo de frente ampla, que não vai satisfazer inteiramente nenhuma das várias visões ideológicas que o compõem. Mas a esquerda, ao menos, tem o presidente e a palavra final nos impasses.

Para os centristas, resta a aplicação de algumas de suas ideias favoritas, como a reforma tributária, e a reconstrução das coisas que Bolsonaro destruiu.

Parece pouco para justificar uma adesão completa que, no cálculo de alguns centristas, poderia dissolver o campo social-liberal na órbita do petismo. Afinal, muita gente que votou em Lula só para derrotar Bolsonaro em 2022 quer uma alternativa mais centrista em 2026.

Algumas das críticas do campo, digamos, pós-tucano fazem pouco sentido. Por exemplo, Lula retirou diversas empresas do programa de privatização. O PT sempre foi contra privatizações, embora aceite as parcerias público-privadas. Um governo do PT que desse continuidade às privatizações não estaria se aproximando do centro, estaria aplicando o programa tucano em sua inteireza. Essa não é uma reivindicação razoável.

Outras críticas são mais bem embasadas. O centro está certo em criticar a complacência com os regimes autoritários de esquerda. Antes de alguém dizer que não devemos nos meter nos problemas de nicaraguenses e venezuelanos, lembro que ninguém reclamou quando todas as grandes democracias do mundo se opuseram ao golpe de Bolsonaro.

O centro não gosta da retórica de esquerda do governo sobre economia, incluída aí a briga de Lula com Roberto Campos Neto. Nada disso teve muita consequência prática até agora: a retórica parece ser uma tentativa de manter a identidade de esquerda do governo. Afinal, a esquerda também tem medo de se dissolver na frente ampla. Mas é inteiramente compreensível que, se o governo marca assim sua identidade, o centro se sinta excluído. Identidades importam.

No que se refere à regra fiscal, acho que os críticos estão errados. Não é que suas contas, que apontam dificuldades para atingir os objetivos que o governo fixou para si mesmo sem aumento de arrecadação, estejam erradas: é que não é fácil achar uma área do governo em que grandes cortes de gastos sejam possíveis.

Não imagino como qualquer partido que tivesse vencido em 2022 pudesse agora propor um corte de gastos muito grande. Vale para Tebet, para Ciro, e só não vale para o maluco do partido Novo porque, se tivesse vencido a eleição, o Novo pediria desculpas pelo mal-entendido e entregaria a faixa presidencial de volta para o Jair.

A relação de Lula com o centro ainda está em construção e deve ter momentos de mais proximidade, como o debate da reforma tributária. A essa altura, o leitor já deve saber que defendo uma aliança estável entre a esquerda e ao menos parte do que chamamos de “centro”.

Mas, se preferirem se distanciar conforme 2026 se aproxime —o que também é legítimo—, Lula e o centro têm obrigação de organizar esse processo sem prejudicar a reconstrução pós-Bolsonaro ou a aprovação do programa da frente ampla.

Celso Rocha de Barros, extraído do site da FSP de 16.4.23


1 comentário até agora

  1. Flavio Jansen abril 18, 2023 8:12 am

    Infelizmente, no caso do Lula, não existe aliança e sim adesão. Tem que manter uma distância mesmo deste governo. Exemplos concretos:
    – gasto de energia política para retroceder no Marco do saneamento, privatização da Eletrobrás e autonomia do banco central ( que não vão ocorrer )
    – bagunça na indicação a presidencia do BID
    – PEC do estouro é só aparece o novo arcabouço 120 dias depois. E na PEC do estouro queria 4 anos, só apareceu novo arcabouço porque não teve opção
    – Sindicalistas para fundo de pensão sem a devida qualificação, temos histórico bem ruim de déficit em fundos estatais quando foram usadas de forma política
    – Este apoio bizarro a Rússia e a Nicarágua.
    E por aí vai
    Claramente busca uma agenda petista que já deu errada antes, ignora o centro e o
    Caminho é manter distância mesmo e impor algumas derrotas políticas periodicamente ( como foi na PEC do estouro ) porque senão será um problema. Não dá para ficar sentado esperando 2026 porque nenhum dos lados ( PT ou bolsonaristas ) de fato querem reduzir a polarização.

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.