DESDOLARIZAÇÃO

Essa palavra, que não existia, até recentemente, no vernáculo, está começando a ter vida na boca do povo: é o antônimo de dolarização.

O que ela significa?

A dolarização é um fenômeno do Século XX. Até 1933 a moeda dos Estados Unidos estava atrelada a libra esterlina inglesa, quando foi editada uma Joint Resolution extinguindo a cláusula ouro. A partir de então o dólar se fortaleceu como divisa internacional e, com a derrota do regime nazista, se tornou moeda de reserva de outros países, desvinculando-se, inteiramente, do ouro, em 1971.

Como a emissão de moeda é um fenômeno nacional, e o dólar é a moeda nacional norte-americana, os Estados Unidos passaram a dispor de extraordinária vantagem, para o bem e para o mal, até que as demais nações, que emitem outras moedas – tomando como exemplo o que foi feito na Europa com a implantação do Euro – pensaram instituir uma moeda suprarregional comum, respaldada pelo Yuan chinês, para desdolarizar o sistema monetário internacional.

O atual governo brasileiro – cuja ex-presidente é a atual CEO do Banco dos Brics – aderiu a esse projeto e pensa, inclusive, em promover, previamente, a criação do Sur, uma moeda única na América do Sul.

Trata-se de uma política de governo que está sendo posta em prática através de uma estratégia. Muitas pessoas estão a favor e muitas são contra. O que acho estranho é um presidente de Banco Central afirmar, publicamente, que é contrário a esse projeto, do governo de que faz parte.

Independência funcional do órgão não pode ser rebeldia do servidor.


Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.