DREX: BANCO CENTRAL DEFINE NOME DA NOVA MOEDA DIGITAL DO PAÍS – por Andréia Sadi

O Banco Central definiu o nome da primeira moeda digital oficial do país: Drex.

O nome do primo do Pix, como é chamado dentro da instituição, é uma abreviação da expressão digital real x.

A expectativa é que, até o fim de 2024, o Drex esteja liberado para o público.

Segundo o BC, a moeda digital poderá ser trocada por papel-moeda e vice-versa, e o acesso a ela será feito por meio de carteiras virtuais em bancos e outras instituições financeiras.

O Drex não vai ter remuneração automática – semelhante ao que acontece com o dinheiro guardado em casa, por exemplo.

O BC espera que a nova moeda ajude a baratear custos de operações bancária e aumentar a inclusão dos consumidores no novo mercado financeiro.

“O real digital é uma expressão da moeda soberana brasileira, que está sendo desenvolvida para dar suporte a um ambiente seguro onde empreendedores possam inovar e onde os consumidores possam ter acesso às vantagens tecnológicas trazidas por essas novas ferramentas, sem que para isso precisem se expor a um ambiente financeiro não regulado”, diz o BC, em nota.

Diferença entre Drex e criptomoedas

As criptomoedas funcionam como ações na Bolsa de Valores, onde investidores colocam dinheiro à procura de rentabilidade. Já o Drex não terá variação no preço, pois será apenas uma representação virtual da moeda física brasileira.

Além disso, as criptos apresentam variação de preço a depender da oferta e da demanda. Por exemplo, o valor do bitcoin, uma das moedas virtuais mais populares, caiu quase 4% nos últimos 30 dias. Já o preço do real não tem variação – ou seja, R$ 5 em papel-moeda vão equivaler a 5 drex.

Vale destacar que, segundo o Banco Central, o real digital funcionará em blockchain, sistema usado pelas criptomoedas. E, principalmente, não se trata de uma criptomoeda, porque será garantida pelo governo.

ANDRÉIA SADI – transcrito do site G-1


1 comentário até agora

  1. letacio agosto 7, 2023 3:37 pm

    A moeda, por definição, é Valor e Peça Monetária, e tem vigência a partir da emissão. Sendo assim, o DREX ainda não é uma moeda, mas o fato de ela ter ganho uma denominação – e de não sofrer correção monetária – é alvissareiro. Vária questões, porém, ficam no ar.
    1- Trata-se, por ora, de um valor virtual, que será moeda, quando for emitido;
    2- Convém não esquecer que a emissão é monopólio do Banco Central, o que diferencia o DREX das criptomoedas.
    3- A tecnologia do Blockchain fornecerá o suporte digital do DREX, o que não o descaracterizará como moeda
    4- O fato de a moeda digital do Banco Central ter uma denominação própria vai significar a revogação do Real.
    5 – Tratar-se-ia, porém, de uma Reforma Monetária, cuja competência para promovê-la não é do Banco Central, mas do Congresso Nacional.
    6 – Será um limite à validade do DREX se o acesso a ele for feito por meio de carteiras virtuais em bancos e outras instituições financeiras.
    7 – O DREX deve ser emitido do Banco Central diretamente para o cidadão.
    Ainda assim é uma excelente notícia.

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será publicado.